Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Vice-governador diz que causa de acidente com avião que conduzia RC foi falha humana devido o piloto não ter acionado o trem de pouso

O vice-governador Rômulo Gouveia (PSD) disse nesta segunda-feira (28), durante entrevista a Arquimedes de Castro, que houve falha humana no pouso forçado com o avião que conduzia o governador Ricardo Coutinho (PSB), na última sexta-feira (25). Segundo ele, o piloto teria esquecido de acionar o trem de pouso, provocando o acidente. A Aeronáutica alegou que confirmará a causa do acidente após o laudo técnico, que será concluído em até um ano. Já o piloto Nilton Pinheiro informou durante a perícia que só se pronunciará após o relatório.
Bombeiros retiraram combustível de avião que transportou Governador Ricardo Coutinho (Foto: Taiguara Rangel/G1)
Aeronave está sendo periciada na Paraíba após pouso forçado (Foto: Taiguara Rangel/G1)
Segundo o tenente-coronel Luiz Cláudio Veloso Gonçalves, perito integrante da Comissão do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), não é possível confirmar a informação até a conclusão do laudo pericial. "É possível que tenha havido falha humana ou do próprio equipamento. Ele arremeteu na primeira tentativa e aconteceu o acidente na segunda, é possível que ele tenha esquecido de acionar o trem de pouso ou que o equipamento não tenha funcionado..."
Rômulo Gouveia disse que o piloto esqueceu de acionar o trem de pouso da aeronave. Na avaliação do vice-governador, se de fato tivesse acontecido um problema técnico o piloto deveria ter comunicado o fato aos passageiros", destacando que eles estavam sem cinto de segurança e também o piloto deveria ter tentado falar com a torre de comando. "Na primeira tentativa no pouso, ele arremeteu por causa dos ventos fortes. Ele havia feito o procedimento normal de baixar o trem de pouso, então arremeteu e recolheu o trem. Na segunda tentativa, ele esqueceu de acionar", afirmou.
Conforme o vice-governador, apesar da experiência do piloto que possui três mil horas de voo com o modelo Sêneca, que guiava no dia do acidente, houve um incidente humano comum. "É natural que ele estava nervoso porque era seu primeiro voo com o Governador. Se houvesse algum problema técnico, ele não poderia ter pousado, deveria retornar para João Pessoa, consumir o máximo de combustível possível, acionar o Corpo de Bombeiros para prestar socorro e evitar a possibilidade de incêndio, acionar o sistema de espumas e então pousar de barriga. Naquela pista não havia estrutura física para isso", explicou Rômulo.
O avião bimotor pertencente ao Governo do Estado foi retirado da pista no último sábado (26), após a perícia da Aeronáutica. Com o auxílio do 2º Batalhão do Corpo de Bombeiros de Campina Grande, todo o combustível foi retirado do tanque da aeronave ainda no sábado, para evitar risco de incêndio. O modelo continua guardado em um galpão no Aeroclube de Campina Grande e deve ser transportado para João Pessoa, segundo o chefe da Casa Militar, o coronel Fernando Chaves. (com G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário