Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Cícero reage e diz que Ricardo não tem autoridade para falar sobre má aceitação dentro do próprio partido

De Brasília, o senador Cícero Lucena (PSDB) reagiu durante às críticas feitas pelo prefeito Ricardo Coutinho (PSB) em entrevista à Rede Paraíba Sat de Rádio, na tarde desta terça-feira (4). "Minha alegria é que, dentro do PSDB, é cada vez maior a rede de apoios ao meu nome. Só lamento que o prefeito não possa dizer o mesmo em relação à sua bancada na Assembleia e na Câmara Federal", alfinetou Cícero.
Para o senador tucano, a postura de arrogância, narcisismo e de imaginar-se um ser especial acima da própria classe política têm contribuído para que todos os que com convivem com o prefeito da Capital passem a refazer a imagem que ele tenta construir. "Ele se auto proclama como o ´novo´ e até certo ponto pode até ter razão. Ele encarna um novo tipo de coronelismo, onde só deve prevalecer a vontade e os caprichos dele", atacou Cícero Lucena, lamentando que Coutinho sempre use a farsa como padrão de comportamento nos bastidores.
Cícero Lucena destaca os públicos desentendimentos de Ricardo Coutinho com parlamentares de seu partido - como é o caso do deputado estadual Guilherme Almeida e o deputado federal Manoel Júnior. Almeida, segundo o senador, denuncia até fraude em atas promovidas pela gestão de Ricardo Coutinho no PSB paraibano como forma de prejudicar o parlamentar. Já Júnior, segundo tem manifestado à imprensa paraibana, nutre antipatia justamente pelas tentativas de Coutinho de tentar atrair o apoio do ex-governador tucano Cássio.
Solidariedade a Cássio
Para Cícero, "tudo isso é muito irônico", ao chamar a atenção para o fato de que, na avaliação da própria base parlamentar do PSB, ou Ricardo Coutinho é um "fraudador de atas" ou simplesmente atropela os interesses internos da legenda para alimentar o sonho de firmar aliança com o tucano a quem faz censuras públicas.
"Em relação a Cássio, inclusive, gostaria de prestar solidariedade ao ex-governador, pois não aceito as críticas recentes do prefeito da Capital, dando conta de que ele nada fez por João Pessoa ou faria parte de oligarquia que precisaria ser banida da vida pública.
Ademais, Cícero Lucena lança ainda um desafio para Coutinho: que ele prove não ser José Calistato, um de seus assessores, o responsável pelo ingresso da ação que resultou na cassação de Cássio. Além do mais, não há como negar que o atual secretário de Governo do Maranhão III, advogado Marcelo Weick, foi ´premiado´com o cargo de procurador geral do Município de João Pessoa, tão logo o TSE confirmou o afastamento do ex-governador do cargo.
Na avaliação de Cícero Lucena, tudo isso deixa bem evidente a "figura controvertida" que é Ricardo Coutinho, pois não tem autoridade moral para falar sobre "má aceitação" de qualquer outra liderança política, pois tem sérios problemas dentro da própria casa, como também é lamentável que, publicamente, faça duras críticas a Cássio Cunha Lima, contudo nos bastidores alimenta a possibilidade de fechar possível aliança com ele para 2010.


Nenhum comentário:

Postar um comentário