Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

terça-feira, 13 de julho de 2010

Quem ficará com o voto dos jovens?


Estamos falando de um universo mais de 500 mil eleitores. Trata-se do eleitorado entre 16 e 24 anos na Paraíba, que representa cerca de 9% do eleitorado geral do Estado. Um eleitorado, muitas vezes, mais difícil de ser conquistado, porque o jovem ou é muito bem informado sobre política ou não está nem aí. O bem informado é exigente e não engole qualquer coisa. E o disperso, ligado a outras coisas, não quer engolir é nada.

A campanha que conseguir conquistar corações e mentes dos jovens, independentemente da região onde ele está inserido, poderá desequilibrar o pleito.

Saber o que se passa e o quer o jovem paraibano é fundamental para todos os seis candidatos ao governo do Estado. Especialmente, para o governador José Maranhão (PMDB) e o ex-prefeito Ricardo Coutinho (PSB) que disputam o favoritismo geral dos eleitores.

O que quer o jovem paraibano? Oportunidades de concurso público no Estado? Cursos profissionalizantes bancados pelo Poder Público? Bolsas universitárias? Ou simplesmente pistas de skate e meia entrada em boates que receberem incentivos fiscais do governo?

É mais do que um debate sobre velho e novo, embora o jovem tenha uma tendência natural é rejeitar tudo aquilo que tem muito tempo para optar pela novidade.

As propostas de governo e as campanhas que falarem diretamente com esse eleitorado é que poderão garantir ao candidato um voto surpresa difícil de ser “conduzido” por cabresto eleitoral.

Entre 18 e 24 anos, a Paraíba tem cerca de 493 mil eleitores.

Entre 16 e 17 anos, que nem estão obrigados a votar, tem mais 62 mil eleitores. Basta lembrar que em 2006 a eleição foi decidida por menos do que isso.

Deixar os jovens que nem estão obrigados a votar fora do processo de conquista é o mesmo que desperdiçar pênalti numa final de copa do mundo.


Luís Tôrres

Nenhum comentário:

Postar um comentário