Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

domingo, 20 de março de 2011

Nota de repudio aos últimos acontecimentos de nossa querida Igaracy, por Heládio Costa‏

Diante dos últimos acontecimentos de nossa querida cidade matriz Igaracy, venho bradar minha nota de repudio e desabafo para os últimos acontecimentos. Quero de cara usar um trecho da música de Orlando Tejó, Livardo Alves e Gilva Chaves interpretada pelo grande poeta e cantor FLÁVIO JOSÉ o nome da música é O MEU PAÍS.
Essa letra, que Flávio José teve o prazer de toar no ano de 1994 em seu primeiro trabalho vem elucidar, infelizmente, alguns fatos em nossa cidade.

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

Um país que crianças elimina
Que não ouve o clamor dos esquecidos
Onde nunca os humildes são ouvidos
E uma elite sem Deus é quem domina
Que permite um estupro em cada esquina
E a certeza da dúvida infeliz
Onde quem tem razão baixa a cerviz
E massacram-se o negro e a mulher
Pode ser o país de quem quiser
Mas não é, com certeza, o meu país.
...
Um país que seus índios discrimina
E a ciência e as artes não respeita
Um país que ainda morre de maleita
Por atraso geral da medicina
Um país onde escola não ensina
E hospital não dispõe de raio-x
Onde a gente dos morros é feliz
Se tem água de chuva e luz do sol
Pode ser o país do futebol
Mas não é, com certeza, o meu país.
...

Então, pessoas que se dizem representantes da sociedade igaraciense, se não for pedir demais, fiscalizem o poder, exerçam seus papéis de legisladores, pois Igaracy não merece mais sofrer com essas calamidades.

Heládio Costa (Bibliotecário igaraciense) e ASFIG - Associação dos Filhos de Iagaracy em João Pessoa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário