Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

sábado, 19 de abril de 2014

UM ERRO: JULGAR AS PESSOAS, À TOA.

Por: Claudio Gomes

O mal de algumas pessoas, na maioria das vezes, é querer que todos aceitem suas ideias, suas imposições.
Mas, essas mesmas pessoas, não sabem aceitar opiniões diferentes das suas.
Ninguém é obrigado a aceitar.
Mas, existe algo que chama-se, respeito.
Respeito pela liberdade de expressão e pela pessoa, em si.
Algumas pessoas nos tratam bem, quando lhes convém.
Quando fazemos algumas críticas em relação a política, principalmente, as pessoas que nos tratavam bem, passam a nos ignorar.
Ora, saber aceitar críticas, é sinal de humildade e nobreza de espírito.
Muitas vezes pessoas iguais a mim, fazem comentários em relação ao cenário atual político, brasileiro.
Não quer dizer que estamos criticando essa ou, aquela administração.
Até porque, o quadro absurdo que domina a política em geral, deixa a desejar e, coincidentemente, muitas cidades pequenas espalhadas pelo Brasil, encontram-se nesse mesmo lamaçal, que é a nossa política no geral.
Claro, que existe um ou outro administrador, que se destacam.
Quando eu faço um comentário, eu não estou me referindo à todos os políticos.
Pois, sei que é difícil administrar qualquer cidade.
Principalmente, em nosso querido Nordeste.
A começar, pelo abandono por parte daqueles que encontram-se no poder maior (Brasília).
Da mesma forma que alguns políticos desejam que respeitem suas opiniões e seus cargos, esses políticos precisam humildemente, saber ouvir seus eleitores ou, possíveis apoiadores.
Não se pode fazer política, olhando seu próprio umbigo.
Ninguém chega ao poder, só.
É preciso unir forças.
É preciso valorizar as pessoas, em todos os momentos.
Não somente, quando lhes convém, repito.
Não se pode querer crescer, usando as pessoas.
E não é pelo fato de um comentário político em relação ao que acontece no Brasil, coincida com o que acontece com sua cidade, esse seja dirigido aos seus administradores.
NÃO!
Antes de alguém ficar tirando conclusões precipitadas, revejam seus conceitos.
Leiam com atenção, a forma que essas palavras são colocadas.
Muitas vezes, pessoas que não sabem interpretar aquilo que se ouve ou ler, acaba por afastar muitas forças que elas, no futuro, poderiam precisar.
Eu não comento mais a política em relação à essa ou, aquela cidade.
Agora, se os fatos coincidem, é porque a política em geral, decepciona.
Mas, isto não quer dizer que alguns políticos e cidadãos/eleitores, devam ficar com mi-mi-mi, uns com os outros.
Existe algo acima das picuinhas políticas.
E esse algo chama-se, cidadão, eleitor, povo ou como queiram chamá-los.
Mas, desde que refiram-se eles, com respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário