Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Tragédia em Itaporanga: Mulher é atropelada na BR-361 e não resiste. Confira!


O acidente foi por volta das 19h desta terça-feira, 22, em um trecho da rodovia BR-361 que cruza o sítio Paul Brasil, município de Itaporanga.

Alexandra Claudino (foto), de 34 anos, moradora da localidade rural, retornava para casa depois de ter ido pegar água na Agrovila Jesus Cristo.


Ele caminhava com uma carroça de madeira carregada de tambôs, quando foi atropelada por um caminhão da empresa Nordil, que distribui alimentos no comércio da região.

Folha do Vale




Todos os dias, entre o final da tarde e o começo da noite, ela transportava água para casa com a força dos próprios braços. Tinha que andar quase dois quilômetros empurrando a carroça. Uma lida cansativa e arriscada devido à grande quantidade de carros que passa pela rodovia e a alta velocidade dos veículos. No começo desta noite, ela foi vítima de um deles.

O motorista do caminhão, Romário Ruud Gullit Ferreira, de 22 anos, que reside em Patos, mas seguia para Piancó, onde iria dormir, apresentou-se na delegacia de Itaporanga após o fato e foi ouvido pelo delegado Cristiano Santana. Nervoso e chorando muito, ele disse que trafegava pela rodovia, quando cruzou com um carro, que estava de luz alta e ofuscou sua visão, ocasionando o atropelamento. Assim que tomaram conhecimento do acidente, policias militares foram até o local e fizeram a segurança da área até a retirada do corpo, que, depois do atestado de óbito expedido pelo hospital, foi entregue aos familiares para o velório e sepultamento.

Morador de Patos, onde a empresa tem uma filial, o motorista disse que dirige desde os 18 anos e é pai de uma criança de três, e tinha começado a trabalhar na distribuidora recentemente. Depois de ouvido, ele foi liberado, mas um inquérito será aberto para apurar as circunstâncias do fato e, dependendo das conclusões da investigação, ele poderá ainda ser indiciado por homicídio culposo (não intencional). O delegado solicitou o tacógrafo do veículo para verificar a velocidade em que o carro trafegava e vai ouvir testemunhas.

Quanto à vítima, ela vivia com o gari desempregado Givaldo Faustino, tinha uma filha de 9 anos de outro relacionamento e também cuidava de uma enteada de 16. Recentemente, a Fundação José Francisco de Sousa realizou uma campanha pública para angariar donativos para a família, que é extremamente pobre.

Alexandra e sua filha não tinham registro de nascimento, e a fundação havia protocolado na Justiça pedido do registro civil de mãe e filha como meio de livrá-la da total exclusão social a que estavam submetidas por falta de documento. A mulher já não existia para a lei, e agora desaparece também de fato. Quem nunca teve um registro de nascimento terá agora um atestado de óbito.

Situação delicada é de sua filha: uma criança que já não tinha o pai e agora também perde a mãe, sua única referência familiar. Abalada pela morte trágica, a criança passou mal e teve que ser medicada. 

Fonte: Folha do Vali

Nenhum comentário:

Postar um comentário