Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

TCE vira a mesa e aprova gastança na Granja, pode gastar quando quiser...


TCE gastança
Gastança na granjaTabela

Há quem acredite em Papai Noel. Tudo bem, o Tribunal de Contas do Estado fez muitos acreditarem que os conselheiros não seriam capazes de mudar o voto que, na semana passada, eram pela desaprovação as contas da Casa Civil, no capítulo dos gastos abusivos da Granja Santana. Afinal, aquele escândalo virou manchete nacional.
gastança na granja
E quem assistiu à sessão da semana passada ficou imaginando, de fato, que pela primeira vez um governador teria suas contas desaprovadas, ante os atos flagrantes de abuso com o dinheiro público. Foram 17 toneladas de lagosta, camarão, carne de primeira, 460 latas de farinha láctea, berço esplêndido, papel higiênico a R$ 59,90, sabão líquido a R$ 129…
Ledo engano. Poucos se aperceberam que havia sido ousadia demais para a Corte. Só acreditando em sereia (pra citar um acepipe do mar) para imaginar que iriam desaprovar as contas do governador Ricardo Coutinho. A audácia durou apenas uma semana. A única surpresa foi o fato de dois parentes próximos do senador Cássio Cunha Lima terem puxado o cordão da mudança: Fernando Catão e Artur Cunha Lima.
E tudo ficou como dantes no quartel de Abrantes, aliás, do advogado Johnson Abrantes. De qualquer modo a votação dessas contas vai passar para a posteridade como a virada de mesa mais espetacular dos últimos tempos. Não é todo dia que um tribunal desaprova as contas pelo placar de quatro a dois numa semana, e vira na semana seguinte pelos mesmos quatro a dois.
A partir de agora, os gestores recebem um salvo conduto do TCE para realizar a mesma gastança patrocinada no Governo RC. Está liberada a compra de 17 toneladas de lagosta, camarão, carne de primeira, 460 latas de farinha láctea, berço esplêndido, papel higiênico a R$ 59,90, sabão líquido a R$ 129… Basta se eleger governador.
Espera-se que, a partir dessa decisão, a corte encaminhe uma circular aos Municípios, autorizando os senhores prefeitos realizaram feitos gastronômicos e higiênicos do mesmo quilate. Quem sabe se, dessa forma, a Paraíba toda não vai comer lagosta, camarão, carne de primeiro, peixes raros, e a população consumir o prestigiadíssimo papel higiênico de R$ 59,90, e se ensaboar a meros (ops!) R$ 129…

Helder Moura

Nenhum comentário:

Postar um comentário