Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

terça-feira, 30 de julho de 2013

Dinheiro do Jampa Digital foi usado na campanha de 2010 na PB, diz PF

Novos documentos e gravações revelam que o dinheiro do Projeto Jampa Digital, criado para levar internet gratuita à população de João Pessoa, foi desviado e usado na campanha de 2010, conforme mostrou nesta segunda-feira (29) a edição do Bom Dia Paraíba em reportagem exclusiva. A reportagem teve acesso aos novos documentos que foram anexados ao inquérito da Polícia Federal, entregue semana passada ao Tribunal Regional Federal, no Recife, no qual 23 pessoas foram indiciadas sob a  suspeita de terem participado do esquema que, segundo investigações, desviou mais de R$ 1 milhão dos cofres públicos.

De acordo com a Polícia Federal, uma empresa fantasma, a Brickell, pagou salário de pessoas que trabalharam na campanha eleitoral de 2010 pela Coligação Uma Nova Paraíba, do atual governador Ricardo Coutinho (PSB) e do vice-governador Rômulo Gouveia (PSD). Documentos revelam que, mesmo o salário de um funcionário tendo sido pago pela Brickell, a carteira de trabalho dele foi assinada pela MKPol - Marketing Político.
A assessoria de comunicação do governo da Paraíba disse que no momento em que for aberto o processo de investigação pelo Ministério Público Federal contra irá ser feita a defesa dos citados, e que no momento não vai se pronunciar sobre as novas denúncias.
A defesa do publicitário Duda Mendonça disse que ele não tem nenhum envolvimento com as empresas citadas. O advogado Antônio Carlos da Silva Castro disse que o cliente dele apenas trabalhou na campanha de Ricardo Coutinho e que não tem nenhuma responsabilidade com o que está sendo investigado.
O Tribunal Regional Federal, no Recife,  ainda não decidiu se vai remeter o parecer do Ministério Público Federal ao Tribunal Superior Federal. Caso isso aconteça, o ministro das Cidades e o governador Ricardo Coutinho passarão a ser investigados, o que não ocorreu até o momento porque ambos têm foro privilegiado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário