Frase

“Não troco meu “Oxente” pelo “ok” de ninguém” – Ariano Suassuna

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Justiça suspende exonerações da vice-governadoria feita por Ricardo Coutinho após rompimento de Rômulo Gouveia...

Desde o final de semana não se ouvia outra coisa em João Pessoa senão que os atos de exoneração e desmonte da Vice-Governadoria do Estado, feita pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) após o rompimento do vice-governador Rômulo Gouveia (PSD) teria dias contados por se tratar de um gabinete institucional cuja existência da estrutura administrativa e funcionalidade independem do humor ou das circunstâncias políticas. 
Isso porque o vice-governador do Estado é uma autoridade constituída pelo povo da Paraíba. Ricardo cortou telefones institucionais, motoristas, guarda pessoal e até a chefia de gabinete. Ou seja, é como se Michel Temer rompesse com Dilma e ela mandasse fechar o Palácio do Jaburu [residência do vice-presidente]. O vice-governador é o segundo mais importante agente da hierarquia estadual. 
Pois bem, agora á pouco, por volta das 15h45min, o juiz Miguel Brito Lyra Filho suspendeu as demissões dos assessores do vice-governador Rômulo Gouveia, publicadas na edição do última sábado (28), no Diário Oficial, um dia após o vice-governador romper com o governador. Na decisão, o juiz absorve as argumentações de que a exoneração em massa foi fruto de uma decisão tomada pelo governador devido entendimentos eleitorais e que a vice-governadoria, estabelecida pela constituição e eleita pelo povo, é função de estado, por isso, mesmo sem ter a autoridade de nomear ou exonerar, cabe ao vice-governador escolher seus assessores, não cabendo a intervenção do governador.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário